Destaque Política
Publicado em 18/08/2017 às 11:48 - Autor:

Deputado se aposenta como médico, mas há 17 anos não atua na saúde

geraldo_picole

O deputado federal Geraldo Resende (PSDB-MS) se aposentou no dia 4 de agosto como médico concursado do Governo do Estado, mas trabalhou nos postos de saúde de Dourados somente até 2000, quando foi nomeado secretário Estadual de Saúde.
O parlamentar está fora da função de médico, objeto do concurso há exatamente 17 anos. Neste período ele ocupou além de ser titular da Secretaria de Saúde, Resende exerceu um mandato incompleto de deputado estadual e está no quarto mandato consecutivo de deputado federal em Brasília.

A aposentadoria do deputado federal Geraldo Resende (PSDB-MS) deferida pelo governador no dia quatro de agosto e publicada esta semana publicada no Diário Oficial de Mato Grosso do Sul viralizou nas redes sociais e o parlamentar lamentou que as pessoas não têm conhecimento da verdade.
Geraldo que está em seu quarto mandato na Câmara Federal afirmou que em 1982 foi aprovado em primeiro lugar no concurso para médico da Secretaria Estadual de Saúde. “Durante vinte anos trabalhei todos os dias nos postos de saúde de vários bairros de Dourados”, disse o médico.

O parlamentar afirmou que tem comprovadamente 35 anos de contribuição à Previdência e 62 anos de idade, dois a mais que a legislação existe para se aposentar. “Cumpri todos os requisitos legais e minha aposentadoria além de legal não é imoral como muitos estão dizendo”, afirmou Resende.
Os comentários nas redes sociais, segundo Geraldo, beiram à irracionalidade. “As pessoas precisam perder esta mania de ficar batendo sem saber a verdade pelo simples fato de um cidadão exercer um mandato eletivo ou outro cargo público”, disse o deputado lembrando que foi vereador e nunca deixou de trabalhar nos postos de saúde.

Resende acrescentou que ao ser eleito deputado estadual passou a ocupar o cargo de Secretário de Saúde do Estado e também continuou contribuindo.
“Quando me elegi deputado federal optei em continuar contribuindo para a previdência do Estado”, disse o parlamentar que conforme as regras não poderá se aposentar como deputado federal como muita gente pensa. “Não posso acumular duas aposentadorias”, disse explicou.

COMENTÁRIOS
Centenas e centenas de comentários foram postados nas redes sociais como este escrito pelo servidor público estadual Eriovaldo Pimentel que disse “aposentou do Estado, depois vai aposentar da Câmara e depois pelo INSS que ele não é de ferro e nem bestinha!”.
A professora Gleice Barbosa, presidente do Sindicato dos Professores de Dourados (SIMTED) afirmou que “o deputado tem todo o direito de se aposentar, porém deveria respeitar o direito para toda a população de se aposentar também”.

Moisés Rodrigues dos Santos disse: ele pagou a previdência durante 30 anos, então tem direito de se aposentar. e agora, ele como deputado eleito pelo povo para legislar pelo povo, Por que tem que legislar em favor do governo? Precisamos que nos represente em busca dos nossos direitos e dos nossos filhos”.
A ex-vereadora e professora Margarida Gaigher afirmou que “a imoralidade é quando ele aprova a aposentadoria dos demais trabalhadores com mais de 70 anos de idade. É quando ele vota a favor em tirar os direitos adquiridos dos trabalhadores brasileiros. Não estamos falando em legalidade e sim em moralidade”.
Por fim Eliton Rudinei Alves ironizou dizendo que o parlamentar “deveria ter se aposentado como deputado, ai quem sabe o povo valorizava”.

NOTA DE ESCLARECIMENTO
Em razão de comentários distorcidos e com interesses eleitoreiros sobre o Decreto Estadual que me concedeu aposentadoria como médico, esclareço o que segue:
1-) Sou médico da Secretaria de Saúde do Estado de Mato Grosso do Sul desde 1982;
2-) Fui aprovado em concurso público e exerci minhas funções de ginecologista e obstetra em várias unidades de saúde do município de Dourados;
3-) Conciliei minhas atividades profissionais com o exercício de mandatos eletivos de vereador e deputado estadual, até 2002, quando me elegi deputado federal;
4-) Optei por continuar contribuindo com a previdência estadual ao invés do Plano de Seguridade Social dos Congressistas como possibilita a legislação;
5-) Ao completar 62 anos de idade e 35 anos de contribuição à Previdência Estadual me aposentei como médico, respeitando legislação vigente;
6-) Não utilizei de nenhuma prerrogativa como parlamentar para me aposentar. Reitero: aposentei-me como médico e não como parlamentar!
Geraldo Resende
Médico, aposentado por tempo de contribuição e deputado federal.

Nicanor Coelho, de Dourados

Comentários